Actividades do Mês
  • Trilho do Mezio e visita ao Soajo

    (PN Peneda-Gerês)

    Trilho Interpretativo do Mezio

    Ocupada há milhares de anos, a vasta área da Portela do Mezio constituía uma zona de intenso pastoreio, acabando por passar a baldio nos últimos séculos.

    Com o desenvolvimento da política florestal do Estado Novo, os baldios passaram para a Administração Central, tendo-se levado a cabo um intenso programa de florestações.

    Este circuito, pela sua simplicidade, está vocacionado para quem tem filhos entre os 6 e os 12 anos, onde a componente de descoberta da Natureza, aliada à aventura em ar livre, constituem ingredientes para um dia bem passado em família.

    Tendo como ponto de partida o Centro de Interpretação do Mezio, o trilho que vamos percorrer desenvolve-se ao longo de uma zona relativamente plana, permitindo efectuar uma caminhada suave para observar os vários sinais de ocupação do território e a beleza do espaço envolvente.

    Vamos ter oportunidade de observar mamoas, brandas, bosques, riachos, carvalhos americanos, vidoeiros, castanheiros e pinheiros silvestres.

    A vila do Soajo

    Proveniente duma base primitiva de ocupação de um espaço possivelmente relacionado com a actividade secular de pastoreio e transumância, a actual vila evoluiu em torno de um núcleo central, implantado na praça principal (Largo do Eiró), onde o pelourinho assume papel de destaque.

    Monumento Nacional desde 1910, este elemento arquitectónico é um simples esteio ao alto, colmatado com uma face antropomórfica e um triângulo no topo, a lembrar um chapéu de três bicos. A data da sua edificação é incerta, embora o foral dado à vila por D. Manuel em 1514 possa lançar a sua construção, iniciando a sua funcionalidade de marco jurisdicional. Alguns autores interpretam os seus elementos escultóricos como integrados em tradições locais de autonomia administrativa e política, mas nenhuma leitura é, neste âmbito, suficientemente precisa. O facto de não possuir nenhuma ranhura para colocação de ferros é apontado como justificativo para a sua tardia construção. Pela sua total originalidade e particularismo, o pelourinho do Soajo é um elemento fundamental de visita e cuidada observação.

    Na periferia da área urbanizada, num ponto alto dominado por um grande afloramento natural granítico, surge uma eira comum, na tradição da vivência comunal local, ladeada por 24 espigueiros de tipo galaico-minhoto, característicos pelo corpo baixo, alongado e construção em pedra, formando um conjunto classificado como Imóvel de Interesse Público desde 1983. Os canastros construídos em verga, elementos primitivos destas estruturas, desapareceram por completo. Alguns apresentam uma sacralização evidente, patente nas cruzes de topo sobre peanhas, para protecção divina dos seus conteúdos, essenciais à sobrevivência da comunidade local. A cronologia destes elementos arquitectónicos é integrável nos séculos XVIII e XIX.

     

    Programa:

    • 10:00h Concentração junto ao Posto de Turismo dos Arcos de Valdevez
    • 10:15h Partida, para o Centro de Interpretação do Mezio
    • 10:45h Início do percurso
    • 12:30h Piquenique
    • 13:30h Visita ao núcleo megalítico do Mezio
    • 15:30h Visita à vila, ao pelourinho e aos espigueiros do Soajo
    • 17:30h Fim da actividade

 

Ficheiros para Download:
  • Como chegar Download PDF 123 KB